Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

RENÚNCIA.

                                                                (Fonte da imagem: www.google.com.br)

 

                                    

                                     renuncia.jpg

 

 

                   Renunciar a tudo o que destrói a nossa esperança e paz, muitas das vezes, é uma árdua tarefa e bastante dolorida, porque conseguir identificar o causador da destruição em nossa vida e não mais aceitar essa devastação, requer muita coragem, perseverança e esforço.

      

             Abdicar, voluntariamente, o que sempre nos seduziu, durante anos, não é para qualquer um e nem sempre conseguiremos realizar essa proeza sozinhos.

      

             Decidir mudar e deixar de se manchar com os nossos delitos nos levará a sentir a dor dessa renúncia ao enfrentar todas as debilidades humanas que permeiam o nosso dia a dia: poder, fome, sede, vaidade, corrupção, desequilíbrio, injustiças, egoísmo, sofrimento, inveja, vingança e morte.

      

             Ao decidirmos atacar de frente tudo isso, precisaremos de muita força, às vezes, até sobre-humano.

    

            Muitos anseiam por tornarem-se pessoas melhores, mas quando descobrem que precisarão enfrentar tudo o que os paralisa e que terão que passar por desertos, dificuldades e grandes desapegos, resolvem desistir.

      

            Têm pessoas que querem vencer a guerra sem precisar lutar, desejam somente o que é fácil. Não aceitam fazer um balanço da própria vida para reconduzi-la de forma diferente, se for preciso.   Tampouco, admitem os seus erros e não querem voltar atrás, pois acreditam que se realizarem essa conversão perderão tempo.

   

             No entanto, se elas percebem que, durante um bom tempo, estiveram em uma estrada errada e se continuam a insistir em fazer uso dos mesmos artifícios e caminho, isso sim, foi uma grande perda de tempo que poderá propiciar a acabar por distanciar, cada vez mais, do seu projeto de vida.  

      

            Converter a nossa forma de enxergar o outro, de lidar com os infortúnios, as diferenças e enfrentar todas as fraquezas humanas é um processo longo e requer muito trabalho e empenho.

      

            Porquanto, toda essa transformação deverá ser o resultado da tomada de consciência do rumo que estamos dando a nossa vida e das responsabilidades das consequências das nossas escolhas.

  

            Perceber, enfrentar e vencer as tentações que nos põe à prova, diariamente, é uma dádiva, porque temos a tendência a acreditar que somos perfeitos e o outro é quem precisa mudar.

   

           “A ambivalência faz parte da vida”. Temos dentro de nós o bem e o mal. Todos os sentimentos podem ser usados para o positivo ou negativo. Assim, o que devemos aprender a fazer é integrá-los, transformando um pântano em um lindo jardim.

     

            Saber o quê e como renunciar poderá nos levar à vitória ou à derrota. A escolha definirá as nossas relações com os outros e com a vida.

  

            Logo, desejo que possamos conseguir olhar para dentro de nós e perceber o que está imperando nas nossas escolhas. Quais renúncias estão sendo feitas e como estamos usando os nossos sentimentos, porque eles poderão ser usados para construir ou destruir o nosso modo de viver.