Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

O VALOR DA PALAVRA.

    

                                                                                                                                                                                                                                                                     (fonte de imagem:www.abibliadorock.blogspot.com.br)

 

       Ao começar o horário político nos meios de comunicação, fiquei com a impressão que havia começado, também, o mau uso, por algumas pessoas, da palavra ao manifestar as várias promessas ou garantias verbais aos possíveis eleitores. Este comportamento me levou a refletir sobre a palavra de honra.

     

      Segundo o Aurélio, esse tipo de palavra denota: “Aquela em que a pessoa empenha a sua honra, sua credibilidade pessoal”. Acredito que quem a emprega com diligência demonstra não se importar com a opinião contrária das pessoas às suas boas obras e virtudes, valorizando a fidelidade a sua crença, brio e dignidade própria.

     

      Para muitas pessoas, nos dias atuais, encontrar alguém que verbalize empenhar a ‘palavra’ provoca alguns sentimentos: perplexidade, desprazer, desconfiança e insegurança. Haja vista que, a maioria delas, em algum momento, já vivenciou a deslealdade de alguém e, por isso, fica cabreira em seu meio social: será que eles irão cumprir com a palavra?Até quando suportarão as tentações?

    

      Na sociedade existem pessoas que além de não serem fiéis ao seu compromisso, gastam os seus dias instigando o outro ao erro ou a maldade. O que fazer?Penso que precisamos ter consciência dos nossos valores, de tudo o que concorre para satisfazer nossas necessidades, discernir o que nos edifica e decidir por aquele que construirá e alicerçará a nossa vida.

    

      Uma vez que escolhemos um valor central, creio ser necessário tomarmos posse dele e nos prepararmos para um possível combate, pois vivemos em um contexto de valores bem diversificados, o que é extremamente enriquecedor, mas por outro ângulo, se não estivermos convictos do que queremos poderemos ser uma presa fácil daquelas pessoas que só pensam em enganar os outros.

   

     “Ser responsável, respeitar a dignidade humana, praticar a verdade e a justiça, reconhecer o valor da solidariedade é o mínimo que se pode exigir para a formação ética de uma pessoa, face ao contexto sócio cultural em que vive”. (Nair Motta).

   

     “Está escrito: Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra de Deus.” (Lc.4,4).Independente da crença julgo ser importante ancorar a nossa vida em uma palavra que se mantém firme e verdadeira.Contudo, precisamos conhecê-la para não a esvaziar com significados distorcidos e mentirosos que constituem exemplos de contra valores, recheados de mero interesse próprio e injustiças sociais.

    

      Portanto, que possamos valorizar as pessoas de palavra, principalmente àquelas que fazem uso da palavra alicerçada na verdade com valores direcionados ao bem comum, respeito à dignidade humana, justiça, solidariedade, responsabilidade, igualdade de direito, de oportunidade e respeito às diferenças com muito amor.

    

       Ao findar o artigo deixo uma reflexão: Que uso tem feito da palavra?

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post