Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora do livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) Peça o livro pelo WhatsApp ou e-mail *Tel.: BRASIL (21)98383-1978 *E-mail: rosangelaperez@terra.com.br

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora do livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) Peça o livro pelo WhatsApp ou e-mail *Tel.: BRASIL (21)98383-1978 *E-mail: rosangelaperez@terra.com.br

A CRUZ.

                                                                                                                                                                                                                    

                                                                                                                                         

                                                                                                                                    (Fonte da imagem: www.saojudasbh.com.br)

                                             

                                                                 

                        

          A cruz é um dos símbolos mais antigos da história da humanidade com uma gama enorme de significados e tipos. De acordo com a cultura ou subcultura o significado e tipo são diferentes: Em Roma era um antigo instrumento de suplício em que se amarravam condenados à morte; na subcultura gótica representa sofrimento, dor ou angústia; para os cristãos a cruz significa sinal de salvação, de amor, reconciliação, misericórdia, a verdadeira árvore da vida que nos resgata da morte.Nesse texto pegarei emprestado o uso da cruz pelos romanos e cristãos enfatizando o contraponto do uso dela por eles.

                                         

         Parece-me angustiante pensar sobre a morte como acredito que para a maioria das pessoas, de alguma forma, também o seja, pois sinaliza que a nossa vida têm um fim. Quem gosta do término da própria vida?Talvez, quem esteja passando por um grande sofrimento e esteja sentindo-se confuso e enfraquecido por ter recebido a notícia de uma doença incurável, a morte de um ente querido, perda de emprego, separação da pessoa amada ou aumento de dívidas como consequência de seu descontrole financeiro. Porém, não acredito que queira a sua morte e, sim, o término deste sofrimento.

        

         Entretanto, em muitos momentos, por causa da nossa limitação, autossuficiência e orgulho nos condenamos à morte, como faziam os romanos, nos torturamos aos poucos, sofremos, nos martirizamos por não aceitar e não saber lidar com uma  determinada situação que ocorreu em nossa vida, mesmo que ela tenha ocorrido há muitos anos atrás, e nos pregamos na cruz sem dó e nem piedade.Lá, ficamos paralisados e não percebemos que o tempo passou e que  apegar-se  aos problemas, limites, sofrimentos e acomodar-se na cruz em nada irá nos ajudar.Pelo contrário, ficaremos estagnados, quem sabe em choque diante dos problemas, desesperados, sentindo-se um nada, dando ouvidos àquelas pessoas que não se cansam de julgar e condenar o outro a morrer na cruz.

      

      Logo, se todos, inevitavelmente, iremos passar por problemas, tribulações, alguma perda, morte, mudança ou sofrimento, durante a nossa existência, então, sugiro que possamos usar a cruz do nosso dia a dia como os cristãos, que a usam como ponte para alcançar a salvação, a reconciliação, superação dos problemas, a vitória, a libertação de tudo que escraviza e impede de alçar voo mais longo, seguro e ousado, de sentir o amor, a caridade, a misericórdia, esperança e a vida.  

3 comentários

Comentar post