Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora do livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) Peça o livro pelo WhatsApp ou e-mail *Tel.: BRASIL (21)98383-1978 *E-mail: rosangelaperez@terra.com.br

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora do livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) Peça o livro pelo WhatsApp ou e-mail *Tel.: BRASIL (21)98383-1978 *E-mail: rosangelaperez@terra.com.br

A CURA.

     

 

                               (Fonte da imagem: http://meufantasticomundo2.blogspot.com.br)

 

 

 

 

       Desde que o mundo é mundo acredito que o homem vive uma busca, interminável, para descobrir a cura de todos os seus males: físicos, psíquicos, espirituais e sociais.No entanto, algumas pessoas dedicam o seu dia para focar a sua doença ao invés de focar a saúde.

      

       Muitas teorias surgiram para tentar explicar como se dá o processo do adoecimento e de que forma podemos alcançar a tão esperada saúde. Para OMS «Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não, simplesmente, a ausência de doenças ou enfermidades.»

     

        Mas será que existe alguém que conseguiu alcançar esse completo bem-estar conceituado pela OMS?Penso ser difícil estar saudável diante de tantas injustiças, diferenças sociais, tragédias urbanas, enfim, misérias humanas que, diariamente, assistimos através dos meios globalizados ou mesmo pessoalmente.

      

        Questiono: Como manter-se imune a tudo isso?Gostaria que todos pudessem encontrar a cura nossa de cada dia.

      

        Pra início de 'conversa', o que vem a ser cura?Segundo o dicionário Aurélio significa “restabelecimento da saúde”.

      

        Observo que algumas pessoas verbalizam querer estar curadas, restabelecer a sua saúde, mas permanecem em um estado de dependência, esperando que alguém as cure sem precisar fazer esforço, clamar por ‘ela’, pedir ajuda ou se levantar para ir ao encontro de quem poderá curá-la.São incongruentes: falam uma coisa, mas a sua postura e atitude demonstra outra.

      

        Já ouviu falar sobre ganho secundário?

     

       “Ser Doente é tratado como um ser diferente, gozando de certos privilégios, atenção de todos que o cercam.Em muitas situações, utiliza-se deste estado de Ser Doente a fim de se comunicar com o mundo e obter certos benefícios”. (Cláudia Tavares e Ricardo Sebastiani).

      

       Quem um dia não obteve esses ganhos quando estava doente?

     

      Contudo, existem pessoas que acabam se deixando levar por esses ganhos e nem percebem que, muitas vezes, estão mendigando amor, carinho, atenção em troca de cuidados eternos.Agarram-se a doença como se ela fosse sua amiga e companheira.

      

      Compartilho com a opinião do saudoso Pe. Léo da Comunidade Canção Nova: “A pior coisa é você se convencer que é doente.” Existem pessoas que em vez de falar o seu nome, primeiro, durante uma apresentação, diz: sou um doente... Depois, muito tempo depois, fala o seu nome. Tenho a impressão que perderam a sua identidade como pessoa, pois ser doente é diferente de estar doente. O primeiro verbo me passa paralisação, comodismo e impotência e o segundo: movimento, dinamismo, potência e possibilidade.

      

        Por isso, creio que precisamos buscar e tomar posse da nossa cura; confiar na nossa restauração; ser ativos; se engajar ao tratamento ; focar o bem-estar, de acordo com as nossas possibilidades, não cultuar doença; remoer culpa; passado; decepção; mágoas; fracassos e perdas, já que como Lulu Santos escreveu um dia: “Existirá em todo porto.Tremulará a velha bandeira da vida. Acenderá todo farol.Iluminará uma ponta de esperança. E se virá, será quando menos imagina. Demolirá toda certeza vã não sobrará pedra sobre pedra”.Assim, que venha a cura que tanto precisamos, como resultado da nossa busca, mesmo que não seja a que queremos.