Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

AMEAÇAR.

       Existem algumas pessoas que demonstram precisar nas relações humanas e interpessoais, fazer uso de ameaças de qualquer natureza seja direta, indireta, explícita, implícita ou condicional para conseguir o que deseja. Contudo, fazer-se valer de um verbo ou gesto intimidativo, não assegurará que a pessoa ameaçada torne efetivo o que lhe foi determinado pelo (a) ameaçador (a). Poderá, sim, despertar repúdio, raiva e outros sentimentos vindos de quem recebeu a ameaça e, com isso, obstruir a caminhada da vida.

 

        Sentir-se ameaçado (a) por alguém desperta também, muitas das vezes, o medo, sentimento universal, mas que em excesso poderá nos paralisar, impedir de pedir ajuda, refletir sobre e enfrentar essa iminência de perigo. Porém, reconhecer que precisamos de ajuda ou mesmo realizarmos esse gesto, dependerá de vários fatores psicossociais que perpassam na relação entre quem ameaça e é ameaçado (a).

 

          Desta forma, faz-se necessário desenvolvermos a aceitação e paciência para lidarmos com tais fatores e buscarmos com constância o nosso autoconhecimento, para podermos aprender a transformar esse medo paralisante em algo frutífero, que nos apresente novos ressignificados aos fatos já ocorridos em nossa vida e nos ajude a enfrentar os diferentes e diversos sinais de ameaça ou perigo real ou imaginário, mas temidos.

 

       No entanto, se ao invés de fazermos o movimento para recorrermos à ajuda ficarmos inertes diante da promessa de malefício, dificilmente conseguiremos superar esse voto e poderemos acabar prostrados não só fisicamente como também, moralmente. O que, provavelmente, dependendo da pessoa que fez uso dessa intimidação, a deixará feliz.

   

         Sinalizo isso, porque existem pessoas que fazem o uso da coação e não desejam o mal para outrem, apenas entendem que uma bela advertência poderá contribuir e fazer com que a pessoa advertida reflita, renuncie e mude o comportamento indesejado seja eticamente ou moralmente.

 

        Portanto, independente de quem nos ameaçou, viver sob essa ação não é nenhum pouco agradável. Por isso, desejo que possamos discernir quem dirigiu essa palavra intimidativa, de onde veio, qual a intenção para, enfim, podermos aceitar, transformar e saber usá-la a nosso favor. Se preciso for buscar ajuda para estarmos mais conectados com quem ou o que nos transmite paz, segurança, carinho, força, verdade e amor para podermos sempre seguir em frente, mesmo diante das dificuldades e ameaças de qualquer natureza que se apresentam, sem medo petrificante que nos desestabiliza e nos impede de vivermos a nossa vida com coragem e fé.

 

                                (Fonte da imagem: portalaltotiete.com.br) 

                                                                   

m_16565.JPG