Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

Rosangela Perez

*Psicóloga CRP ativo *Psicoterapeuta *Professora *Palestrante *Autora livro: EXERÇA SUA LIBERDADE DE SER(Ed.Letra Capital) *COMPRE PELO LINK *PREÇO FRETE DENTRO DO BRASIL *Tel.: BRASIL(21)98383-1978 * rosangelaperez@terra.com.br

SABEDORIA.

                                                                                         (Fonte da imagem: www.jornaldosbichos.blogspot.com.br)

                                                                

              Venho já alguns dias refletindo sobre a sabedoria, a qualidade de quem é sábio e possuidor de grande conhecimento, aspirada por muitos há milênios, mas alcançada por poucos, porque nem todos permanecem constantes no objetivo de ser instruídos e instruir.

          

           Algumas pessoas desejam a sabedoria, todavia, acreditam que no momento que a possuir não precisarão mais tê-la como objeto de seus pensamentos e, muito menos, irão precisar cuidar dela.

        

           Ledo engano!  

       

          “Feliz o homem que persevera na sabedoria”. (Eclo. 14,22).

        

           Entendo que para conseguirmos alcançar uma meta em nossa vida é necessário combater toda e qualquer procrastinação e buscar, sempre, melhorar e aprender com quem poderá nos instruir, guiar e orientar os nossos passos.

        

           Desejar ser instruído indefinidamente é uma característica fundamental para quem tem como meta a sabedoria. Bem como reconhecer e admitir para outrem que nada sabe.

       

          Sócrates, um dos maiores filósofos de todos os tempos, disse: “Só sei que nada sei”. Para ele, o verdadeiro sábio tem consciência da sua ignorância e, por isso, se abre para a aprendizagem dia após dia. Não se contenta com o que já aprendeu nem guarda para si o que sabe, mas transmiti, ardentemente, para o outro o seu conhecimento sem comodismo.

         

          Segundo Nair de Souza Motta, o saber é um dos valores supremos que enriquece a inteligência humana, tornando o homem capaz de criar e realizar as mais variadas obras para o seu próprio benefício e para o bem- estar da sociedade.

        

          No entanto, há pessoas que arrotam arrogância, orgulho, mentira, falsidade e prepotência: “eu já aprendi tudo o que tinha que aprender”; “não tem ninguém que saiba mais do que eu”; “já vivi muito e não tem nada que eu já não saiba”, não querem repassar o que supostamente aprenderam e demonstram nenhum compromisso com a sabedoria.

        

          Portanto, essas pessoas não são sábias e, sim, falsos sábios, pessoas insensatas, porque um verdadeiro sábio é prudente, sensato, justo, totalmente compromissado com o bem, com a verdade, sabe qual é a sua meta e procura fazer-se sábio, diariamente, pois ,caso contrário, poderá deixar de sê-lo.

      

          Então, finalizo com uma provocação: O que está faltando para você alcançar e manter a sabedoria?

 

 

 

 

 

 

 

 

CRISE.

 

                                                       (fonte da imagem:www.migalhas.com.br)

 

 

          Recentemente venho pensando sobre a crise nos relacionamentos.O quanto ficamos abalados com ela, negamos a sua existência, com medo, raiva ou inseguros, agindo como se estivéssemos diante de um furacão, de uma bomba, precisando redobrar os cuidados, as defesas em relação a tudo o que se levanta, se arremessa em nossa direção de modo inesperado.

        

          Mas será que a crise acontece de modo inesperado?Para ela surgir significa que algo a precedeu e, talvez, por imaturidade emocional ou negação não foi possível prevê-la.

         

         A existência da crise significa que algo precisa ser revisto, por mais doloroso que seja. Porém, para isso, será preciso querer arregaçar as mangas, reconhecer a sua responsabilidade na relação, porque todo o relacionamento se dá em mão dupla e não em mão única e, principalmente, querer solucionar o problema.

       

        O próximo passo poderá ser o de desencavar tudo o que está encoberto com assertividade, focando as expectativas, queixas, decepções, responsabilidades, habilidades, medos e planos.

         

         Compartilho com Richard Bach quando disse: “Não existe um problema que não traga em si um presente para você”. Uma vez que na vida nem sempre  as coisas acontecem como nós planejamos ficamos às vezes aborrecidos, decepcionados, magoados e ressentidos diante das adversidades, dos problemas do nosso dia a dia.

     

         Contudo, se conseguimos expressar os nossos sentimentos , emoções e reconhecer que não somos mais criança e que crescemos, começamos a encarar as dificuldades, as crises com uma nova ótica: como uma oportunidade de crescimento, mesmo que feridos, mas amadurecidos.

      

         No entanto, é imprescindível que os envolvidos na crise se questionem: Eu amo esta pessoa?Qual era o meu projeto com ela antes da crise surgir?Quero me esforçar para identificar qual é o problema central para melhorar a nossa relação?Quero continuar a me relacionar com ela?

      

         Omitir ou fingir que a crise não existe para evitar qualquer tipo de dor não é a melhor forma para solucioná-la. Segundo um autor desconhecido, às vezes os maiores crescimentos vêm pela dor, mas não é a dor que nos ajudará a crescer e sim a nossa resposta a ela.

     

         Por isso, se não conseguimos enxergar os diversos motivos da crise de forma real, precisaremos com toda a humildade e disposição procurar ajuda para enxergá-los e, futuramente, mais fortalecidos e maduros escolher seguir em frente separados ou unidos, mas satisfeitos com a escolha realizada.

    

        Então, que venha a crise para mais tarde vir à vitória.